© 2019 Pegada Ecológica dos Municípios Portugueses.

PEGADA ECOLÓGICA

A Pegada Ecológica estima a procura da humanidade por bens ecológicos, respondendo a uma pergunta de investigação simples: quanto é exigido da natureza ou da capacidade regenerativa do planeta (ou de uma região) por parte de uma determinada atividade económica (ou de um conjunto de atividades)? Se a Pegada Ecológica contabiliza a procura por recursos naturais, do lado da oferta, a biocapacidade informa sobre quanto os ecossistemas de uma cidade, uma região ou país podem realmente fornecer. De acordo com os dados mais recentes, desde a década de 1970, a Pegada Ecológica da humanidade ultrapassou a biocapacidade da Terra até ao ponto em que, hoje em dia, são necessários 1,7 planetas Terra para fornecer os recursos renováveis e serviços ecossistémicos necessários ao consumo pela humanidade num único ano.

A Pegada Ecológica utiliza uma unidade de área-equivalente que representa a capacidade de um hectare de terra com uma produtividade média mundial. Dividindo a biocapacidade total da Terra pelo número total de hectares bioprodutivos produz-se o valor da média "hectare global" (gha). Um gha é uma medida da capacidade inerente da biosfera para produzir biomassa útil, que é apropriada pelos seres humanos. A Pegada Ecológica pode ser desagregada nas seguintes tipologias de uso de solo:

Principais componentes de uso do solo da Pegada Ecológica e da biocapacidade.

A PE pode também ser desagregada por 12 categorias de consumo:

Matriz das atividades de consumo por uso do solo.